Terça-Feira, 07 de Dezembro de 2021 - 18:15:58    Oferecimento Mato Grosso em Destaque
Facebook Mato Grosso em Destaque Instagram Mato Grosso em Destaque Canal no Youtube do Portal Mato Grosso em Destaque WhatsApp Mato Grosso em Destaque
Mato Grosso em Destaque


Data: 23/11/2021 - 15:24 - Por: Mídia News

Comissão vê improbidade e propõe impeachment de Emanuel

Pedido será protocolado nesta tarde e será apreciado pelos parlamentares na quinta-feira (25)


O relatório final da Comissão Especial da Câmara de Cuiabá, criada para acompanhar investigações contra o prefeito afastado Emanuel Pinheiro (MDB), concluiu que houve prática de improbidade administrativa por parte do emedebista. Por isso, a comissão pediu aos vereadores a abertura de um processo de impeachment.

 

O documento foi apresentado ao presidente da Casa, vereador Juca do Guaraná (MDB), na manhã desta terça-feira (23).

 

Agora, o relatório será usado para embasar um novo pedido de abertura de Comissão Processante contra Emanuel, que será protocolado ainda nesta tarde. O novo requerimento será colocado em votação já na sessão da próxima quinta-feira (25).

 

O Legislativo já barrou três pedidos semelhantes nas últimas semanas. 

 

A comissão foi presidida pela vereadora Edna Sampaio (PT) e tinha como membros os vereadores Wilson Kero Kero (Podemos) e Sargento Vidal (Pros).  

 

O grupo analisou diversas ações e procedimentos administrativos instaurados no âmbito do Tribunal de Contas do Estado, Ministério Público Estadual e na Justiça contra o prefeito. 

 

A principal delas diz respeito à contratação de servidores temporários na Saúde, em detrimento da realização do concurso público ou processos seletivo, em desrespeito a decisões judiciais e do TCE. Esses fatos são investigados pela Operação Capistrum, deflagrada em outubro e que levou ao afastamento do prefeito.

 

“O que se conclui da análise das ações judiciais promovidas pelo Ministério Público é exatamente a violação, por parte do prefeito Emanuel Pinheiro, ao concurso público, notadamente na área da Saúde, já que, desde o início do seu primeiro mandato até a presente data não o realizou, apesar dos insistentes freios e contrapesos promovidos pelo Poder Judiciário e pelo Tribunal de Contas do Estado”, diz um trecho do relatório.

 

“Neste sentido há a incidência do prefeito Emanuel Pinheiro em ato de improbidade administrativa e, ainda que pendente de decisão judicial transitada em julgado nesse sentido, há elementos suficientes a autorizar o julgamento político do chefe do Executivo pela Câmara Municipal, por este ato de improbidade administrativa”, completou.

 

A comissão ainda apontou dados que demonstram que Emanuel sabia que havia necessidade de regularização do quadro de servidores da Saúde e da existência de contratos irregulares sem critério e ilegais.

 

“[...] Diante de todo o exposto, a presente Comissão Especial conclui pela existência de elementos suficientes para a abertura de processo de impeachment para descompressão democrática da crise política instalada a partir do afastamento do Prefeito Emanuel Pinheiro, pelas decisões judiciais acima mencionadas”, concluiu o relatório.

 

Prêmio-saúde

 

Outra acusação que pesa contra o prefeito é a de pagamento ilegal do chamado "prêmio saúde", de até R$ 5,8 mil, sem nenhum critério. Segundo a comissão, também se trata de ato de improbidade. O prêmio saúde também é alvo da Operação Capistrum.

 

“Aliás, também da análise dos autos, se verifica a realização de pagamentos de prêmio-saúde a centenas de contratados temporários em desconformidade legal, sob o arbítrio do prefeito afastado, a ensejar, também, a incidência em ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário”, consta em trecho.

 

Comissão Processante

 

Para ser instalada, a Comissão Processante precisa ser aprovada pela maioria simples da Casa. Segundo o Regimento Interno, caso o pedido seja protocolado por algum parlamentar, este não poderá votar.

 

A partir do momento em que é instalada, os membros podem pedir o afastamento do prefeito durante a investigação, que dura 90 dias. O pedido é feito formalmente e decidido pela Justiça.

 

Afastamento

 

Emanuel Pinheiro foi afastado do cargo no dia 19 de outubro, após a deflagração da Operação Capistrum.

 

Além dele, a operação teve como alvos a primeira-dama Márcia Pinheiro; o chefe de gabinete Antônio Monreal Neto, que chegou a ser preso; a ex-secretária Ivone de Souza; e o ex-coordenador de Gestão de Pessoas da Secretaria Municipal de Saúde, Ricardo Aparecido Ribeiro.

 

O grupo é acusado de  criar um "cabide de empregos" na Secretaria Municipal de Saúde para acomodar indicação de aliados, obter, manter ou pagar por apoio político.

 

Outra acusação que pesa é a de pagamento ilegal do chamado "prêmio saúde", de até R$ 5,8 mil, sem nenhum critério. 

 

Segundo as investigações, o prefeito reiterou nas práticas consideradas irregulares apesar de determinações judiciais e de ordens do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

 

O prejuízo aos cofres públicos de Cuiabá, segundo o MPE, foi de R$ 16 milhões. 

 

O grupo também é alvo de uma ação por improbidade administrativa na Vara de Ação Popular e Ação Civil Pública de Cuiabá. Nela, o prefeito chegou a ser afastado, mas conseguiu reverter a decisão no Superior Tribunal de Justiça.


Curta Nossa Página no Facebook:





Comentários: ( 0 ) cadastrados.

Faça o comentário para a noticia: Comissão vê improbidade e propõe impeachment de Emanuel

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de total responsabilidade do autor.
As mensagens com conteúdo abusivo poderão ser vetados da publicação.


COMPARTILHE ESSA NOTÍCIA COM SEUS AMIGOS




Mato Grosso em Destaque | Portal de Notícias de Mato Grosso - Todos os direitos reservados.

Facebook Mato Grosso em Destaque    Instagram Mato Grosso em Destaque    Canal no Youtube do Portal Mato Grosso em Destaque    WhatsApp Mato Grosso em Destaque

E-Mail: reportagem@matogrossoemdestaque.com.br


Política de Privacidade | Termos de Uso